No século 13, o poeta persa Rumi escreveu que “A ferida é o lugar onde a Luz entra em você”.

Mais de 800 anos depois, continua a nos lembrar por que um coração partido pode ser um trampolim para um amor que nos faz sentir completos e brilhantes e esperançosos.

Isso não quer dizer que o amor não possa doer.

O amor pode ser extremamente doloroso. Poucas coisas parecem piores do que dar todo o seu coração a alguém, apenas para descobrir que essa pessoa não pode lhe dar nem mesmo parte dele.

Nós nos tornamos tão perdidos no amor que ignoramos os sinais de alerta do desastre, apenas para sermos quebrados em incontáveis pedaços quando tudo desmorona.
Isso acontece com o melhor de nós. Por amor, cometemos o erro de escolher uma pessoa que não é boa para nós.

Fazemos isso porque temos muito a dar, mas não aprendemos as lições que nos deixarão prontos para essa pessoa para sempre.

As lições mais valiosas são quase sempre as mais dolorosas, e as lições que aprendemos com o amor que deu errado podem ser as mais dolorosas de todas.

Então talvez esses erros que cometemos não sejam realmente erros.

Talvez eles sejam a única maneira de aprendermos como amamos, porque ferimos e quem é bom ou ruim para nós.

Se é assim que funciona, então talvez esse erro – essa dificuldade de deixar ir, aquele desejo aparentemente irracional de permanecer em um relacionamento tóxico – não seja um erro. É o curso natural das coisas.

É como sabemos que algo é bom porque vimos que foi ruim. Passamos pelo processo de nos esforçar ao máximo para fazer uma coisa errada, então sabemos a diferença quando está realmente certo.

Claro, saber tudo isso não facilita. A cura é um longo processo que leva toda a energia e determinação que podemos reunir.

É uma decisão que fazemos repetidamente para deixar ir e deixar o que não nos mata, nos faz mais fortes.

E isso nos fortalece. É preciso muita força para entender que podemos amar alguém, mas ainda nos levantar e sair, porque estamos destinados a algo melhor.

E é preciso coragem para escolher curar, porque essa pessoa verdadeiramente correta nos merece o melhor.

É um longo caminho, mas no final há um amor real que é relaxado, reconfortante e livre de drama. Isso nos mostra por que passamos por todos esses momentos difíceis e amamos todas essas pessoas erradas.

Tudo isso, por mais doloroso que fosse na época, compunha o caminho que tínhamos de percorrer. Isso nos levou a esse profundo amor que faz o oposto de causar dor – isso traz o que há de melhor em nós.

Se você achou este artigo útil, lembre-se de COMPARTILHAR com sua família e amigos no Facebook!

Traduzido e adaptado: Inspiring Life

Partilhar é cuidar!

VÊ TAMBÉM



COMENTÁRIOS