Uma criança feliz, que gosta de interagir e descobrir o mundo, é barulhenta e rebelde. Agora, nos últimos tempos, há um movimento que chama nossa atenção e nos preocupa: a “fobia de crianças”.

Por algum tempo, esse tipo aumentou um tipo muito específico de oferta de hotel, que oferece acomodações “sem crianças”. Ou seja, durante a estadia, não encontraremos bebês ou crianças que nos incomodam à noite com seus gritos ou que nos incomodam na piscina com seus jogos.

O mesmo vale para certos bares e restaurantes. É uma oferta diferente para todos aqueles que desejam passar um momento de paz longe da presença de crianças. Este movimento está tendo um grande impacto nos Estados Unidos e no Reino Unido. E isso nos convida a refletir sobre uma questão um tanto complexa.

Já esquecemos o que é a infância? Temos tão pouca empatia que somos incapazes de nos conectar com aqueles anos maravilhosos, barulhentos e indisciplinados que definem a infância? Convidamos você a refletir sobre isso em nosso espaço.

Quando as crianças se incomodam em nossos espaços públicos

Começaremos explicando o caso da cantora canadense Sarah Blackwood. No ano passado, ele experimentou uma situação que a marcou e denunciou. Ele tentou fazer com que, com sua história, a sociedade refletisse em algo importante.

Ele teve que fazer uma viagem de avião com seu menino de 23 meses. Eu estava grávida de 7 meses e, embora não fosse a primeira vez que fiz essa jornada de São Francisco a Vancouver, naquela ocasião foi algo diferente.

Quando o avião ainda não decolou, seu filho começou a chorar. Logo, toda a passagem olhou para ela com aborrecimento. Ele logo ouviu críticas sobre “que ela era uma mãe ruim”, alguém que não sabia como cuidar de seu filho.

Logo o comissário de bordo chegou, avisando-o de que ele deveria acalmar o filho. A passagem estava reclamando e eles poderiam tirá-la do avião se a criança não calasse a boca. A jovem mãe estava quase sem fôlego.

As lágrimas do bebé mal duraram 10 minutos. Depois desse tempo, ele adormeceu novamente e não acordou até o pouso. Será que as pessoas esqueceram o que é ser mãe? Alguém se lembra que os bebés choram, riem, gritam e gritam?

A “fobia de crianças” ou pensar que uma criança que chora é o resultado de maus pais

Este é apenas um pequeno exemplo do que muitos pais sofrem todos os dias. Ir às compras, sair em um teatro, comer em um restaurante … Se uma criança grita, chora ou chama a atenção de outras pessoas, é porque seus pais “não estão fazendo algo certo”.

  • É uma ideia incorreta e estigmatizada. Cada criança tem sua personalidade e sua maneira de interagir nos seus contextos mais próximos. Há mais inquietação e mais calma. Mas isso nem sempre é o resultado da educação de seus pais.
  • Os bebés choram, e chorar é a linguagem essencial para pedir algo, para se comunicar. É algo natural que toda mãe entende.

Portanto, devemos ser mais empáticos e respeitosos quando, em um trem ou avião, vemos os pais tentando acalmar o bebé durante a viagem.

A “fobia de crianças” está fazendo a entrada de menores em muitos espaços de lazer nos Estados Unidos e no Reino Unido. No entanto, com isso, a entrada para os pais também é proibida. É algo para refletir.

É claro, no entanto, que em matéria de turismo, cada empresa pode oferecer o serviço que deseja. Portanto, se uma pessoa deseja passar suas férias sem ver ou ouvir uma criança, ela merece todo o nosso respeito.

Uma criança feliz é uma criança que corre, que grita, que chama nossa atenção

Qualquer criança quer tocar em tudo, experimentar, sentir, rir, aprender … Se o forçarmos a calar a boca, a não chorar, a falar baixinho e a não sair da cadeira, o que teremos é uma criatura medrosa que não se atreverá a explorar, não a criança feliz

  • Os gritos são tratados, eles não são censurados, nem são ignorados. Se uma criança quiser tocar em algo, nós a protegeremos de danos. É necessário promover sua conduta de exploração, curiosidade, interação com o meio ambiente.
  • A infância é barulhenta por natureza. Só é necessário passar por um berçário ou um centro primário no recreio para lembrar o que é ser uma criança feliz.

Com o tempo terá que crescer e permanecer em silêncio, permanecer imóvel nos assentos de um avião, sem perturbar. Enquanto isso, respeitamos os pais em sua tarefa de educar e ter mais empatia com os filhos. Porque uma criança feliz é uma criança inquieta, curiosa e alegre.

Por: Valeria Sabater Psicoplenitud

Photo by frank mckenna on Unsplash

Partilhar é cuidar!

VÊ TAMBÉM




COMENTÁRIOS