SENSATEZ, de acordo com a definição do dicionário, significa: característica ou particularidade daquele que é sensato; ser humano equilibrado; aquele que age com bom-senso.

Verdade seja dita, sensatez faz parte do conjunto de elementos que anda em falta neste mundo; poderia, por exemplo, entrar na mesma lista do álcool gel e das máscaras descartáveis, tão procuradas nestes tempos estranhos em que, de repente, estamos às voltas com um quase desconhecido chamado coronavírus, ou para usar um termo mais técnico o COVID – 19.

Voltando ao significado das palavras, observemos o efeito de uma outra, uma que anda bem na moda, quando aparece escrita em textos ou ditas em discursos; mas que, na prática mesmo, é tão ou mais difícil de se colocar em prática do que a “sensatez”. A palavrinha famosa atende pelo nome de “EMPATIA”:

capacidade de se colocar no lugar do outro.

Em poucas semanas, a comunidade científica ao redor de todo o planeta, vem se debruçando em busca de respostas acerca do COVID-19. As perguntas são incontáveis, e as respostas dependem de recursos, humanos e financeiros; aplicação de conhecimento; compartilhamento desse conhecimento entre médicos, cientistas e todos os profissionais de saúde envolvidos.

Enquanto isso, tivemos um aumento de 121 para 176 casos de coronavírus no Brasil, segundo novo balanço do Ministério da Saúde divulgado na tarde deste domingo, 15 de março, e ainda há 1.961 pacientes com suspeita da doença.

Medidas de prevenção seguem sendo divulgadas, na mídia, nas redes sociais, em cartazes no elevador, nas escolas, em todos os lugares por onde passamos há material de alerta disponível. Lavar as mãos várias vezes ao dia, com água corrente e sabão, por no mínimo 30 segundos; usar álcool gel para higienizá-las, se não houver água e sabão; ao tossir ou espirrar, abrigar o rosto no antebraço; usar lenços descartáveis; evitar contato físico, dar a mão, abraçar e beijar, na hora de cumprimentar o outro; caso esteja resfriado, não entrar em contato com outras pessoas; não buscar atendimento nos hospitais desnecessariamente.

Todas essas medidas são bem-vindas e indiscutivelmente necessárias.

Entrando no assunto urgente, importante e grave que nos interessa, falemos de qual é a nossa parte na contenção deste vírus que, rapidamente, tornou-se o assunto mais recorrente em qualquer reunião de seres humanos.

O que podemos efetivamente fazer?

 

Como devemos nos comportar para proteger as pessoas mais vulneráveis: os idosos (pessoas acima de 60 anos); aqueles que tenham rebaixados seus recursos imunológicos (pacientes submetidos à quimioterapia, radioterapia, pessoas com doenças respiratórias, pessoas que necessitam fazer uso de imunossupressores); gestantes? Qual é a nossa responsabilidade, o nosso nível de sensatez, a nossa capacidade de sermos empáticos?

A maior arma que temos agora em mãos é EVITAR O CONTATO SOCIAL! Shows, peças teatrais e eventos estão sendo cancelados. Festas e reuniões familiares estão sendo adiadas. Viagens, ainda que não dependam de transportes coletivos (aviões, trens, ônibus), estão sendo postergadas.

Paremos, um instantinho. Coloquemos a mão na consciência e encontraremos a resposta. A resposta é FICARMOS EM CASA! Se todas as pessoas tiverem consciência do impacto desse gesto na contenção do COVID-19, quanto antes superaremos essa situação, com o menor número possível de vítimas.

Mas, alguns dirão “E a economia? Vai parar?”; “E os prejuízos?”. A economia certamente será impactada; não há alternativa. Não é uma hipótese. O vírus chegou aqui na nossa porta. Na porta do mundo, é uma PANDEMIA. O que estamos falando é sobre preservar VIDAS!

A quarentena voluntária é uma arma poderosa para salvar vidas.

Há questões que são inegociáveis! Nada de boteco ou restaurante! Nada de ir à academia! Nada de clube! Nada de reunião de amigos! Nada de festinha! Nada de cinema! Agora, finalmente é um ótimo momento para darmos uma função positiva à nossa dependência dos telefones celulares! Façamos home office, atendimentos e reuniões por skipe, facetime, e todos os recursos que acabamos usando, mesmo quando estamos na mesa de casa na hora da refeição com a nossa família! Agora sim, estará certo substituir o encontro ao vivo pelo encontro virtual!

As escolas, pelo menos as mais conscientes de seu papel de “organização com fins educativos”, suspenderão as aulas a partir de amanhã (16 de março de 2020). Mas outros alguns dirão “Ué! Mas as crianças não fazem parte do grupo de risco! Pra quê suspender aula!”. Acontece que a criança não volta da escola dentro de uma cápsula, né? Ou volta?! Crianças, inclusive, podem ser portadoras do vírus e não ter nenhum sintoma; assim como muitos adultos. Uma pessoa assintomática, contamina outras pessoas do mesmo jeito, no elevador, no hall do prédio, ao colocar a mão no corrimão, na maçaneta.

O único jeito de reduzir danos e evitar a propagação é reduzir o contato social.

Estamos num país de proporções continentais, onde pouquíssimas pessoas têm acesso a planos de saúde, medicamentos vendidos em farmácia e hospitais particulares de elite. A maior parte dos brasileiros depende do SUS para se tratar. E sem contenção de propagação do vírus, não haverá leito para todos que precisarem; não haverá respiradores; não haverá máscaras; não haverá luvas; não haverá médicos, nem enfermeiros!

Não é alarmismo! É bom senso! É responsabilidade, empatia e sensatez! Fazer a nossa parte é muito simples: FIQUEMOS EM CASA TANTO QUANTO NOS SEJA POSSÍVEL! Essa atitude é a nossa arma para salvar vidas.

VÍDEO RECOMENDADO:

Por: Ana Macarini

Partilhar é cuidar!

VÊ TAMBÉM



COMENTÁRIOS