“Perto da estação de metro está uma mulher de idade incerta. O cabelo dela está amaranhado e sujo, a cabeça baixa de tristeza. A mulher senta-se no chão sujo e ao lado dela está um saco. Naquela bolsa, as pessoas colocam dinheiro. Nas mãos da mulher, a dormir, está um bebé de dois anos. Ele está com um chapéu sujo e roupas sujas.

“Madonna com um bebê” – numerosos transeuntes doarão dinheiro. As pessoas da nossa espécie – sempre sentimos pena dos menos afortunados. Estamos prontos para dar às pessoas desafortunadas a nossa última camisa, o último centavo fora do nosso bolso e nunca pensar noutro problema. Ajudar parece um bom trabalho.

“Um mês depois, a pensar pela mendiga, um choque atingiu-me de repente…”

Passei pela mendiga durante um mês. Não dei dinheiro nenhum, pois sabia que se tratava de uma fraude operada por gangues, e que o dinheiro arrecadado pela mendiga seria dado a quem controla os mendigos na área. Essas pessoas possuem inúmeras propriedades de luxo e carros. O mendigo também recebe algo, é claro, “Uma garrafa de vodka à noite e um döner kebab.” Um mês depois, a passar pela mendiga, um choque atingiu-me de repente…

Eu estou num passeio movimentado, a olhar para o bebé. Ele está vestido, como sempre, com uma roupa suja. Percebi que parecia “errado” encontrar uma criança numa estação subterrânea suja de manhã à noite. O bebê estava sempre a dormir. Ele nunca soluçava ou gritava, ele dormia sempre, enterrando o rosto no joelho de uma mulher que era a sua mãe.

Algum de vocês, queridos leitores, tem filhos? Lembram-se quantas vezes eles dormiram quando tinham 1, 2 ou 3 anos de idade? Uma hora, duas, no máximo três (e nunca consecutivas). Uma sesta à tarde e sempre houve movimento. Durante todo o mês, todos os dias em que eu andei até a estação de metro, nunca vi a criança acordada! Olhei para o homenzinho minúsculo, com o rosto enterrado no joelho da mãe, depois olhei para a mendiga, e a minha suspeita foi gradualmente formada. “Por que é que ele dorme o tempo todo?” Eu perguntei, a olhar para o bebé.

“Ela baixou os olhos e escondeu o rosto no colarinho do casaco sujo.”

A mendiga fingiu não me ouvir. Ela baixou os olhos e escondeu o rosto no colarinho do casaco sujo. Eu repeti a pergunta. A mulher olhou novamente para cima. Ela olhou para algum lugar atrás das minhas costas, cansada de total irritação. O seu olhar era semelhante às criaturas de um planeta diferente.

“Vai-te lixar”, murmuraram os seus lábios.

“Por que é que ele está a dormir?” Eu quase chorei.

Atrás de mim, alguém colocou a mão no meu ombro. Eu olhei para trás. Um velho olhava para mim com desaprovação:

“O que queres dela? Não consegues ver o quanto ela tem dificuldade na sua vida? Eh?”

Ele pegou nalgumas moedas do bolso e lançou-as para a bolsa da mendiga.

A mendiga fez uma cruz acenando com a mão, retratando o rosto de humildade e dor universal. O homem tirou a mão do meu ombro e saiu da estação de metro. Aposto que, em casa, ele dirá como defendeu a mulher pobre e perturbada de um homem sem alma numa estação de metro.

No dia seguinte, liguei para um amigo. Ele era um homem engraçado com olhos como azeitonas. A sua nacionalidade – romeno. Ele só conseguiu completar três anos e meio de educação. A sua falta de educação não o impediu de se deslocar pelas ruas da cidade em carros estrangeiros caros e viver numa casa “pequena” com um número incontável de janelas e varandas. Do meu amigo, acabei por descobrir que a mendiga faz parte de um negócio. Apesar da aparência genuína, é claramente organizado. É supervisionado por donos do crime organizado. As crianças usadas são “alugadas” de famílias de alcoólatras ou simplesmente roubadas.

“Eles deram-lhe heroína, ou vodka.”

Eu precisava da resposta para a minha pergunta – por que é que o bebé está sempre a dormir? E eu recebi isso. O meu amigo explicou-me, casualmente e com uma voz calma que me torceu em choque, como se ele estivesse a falar sobre o relatório do tempo: “Eles deram-lhe heroína, ou vodka.”

Eu fiquei estupefato. “Quem é que tomou heroína ou vodka?!”

Ele respondeu: “A criança, por isso é que ele não grita. A mulher fica sentada o dia todo com ela, imagina como seria se ele ficasse entediado?

Para fazer com que o bebé durma o dia todo, ela bombeava-o com vodca ou drogas. É claro que os corpos das crianças não são capazes de lidar com tal choque. E as crianças freqüentemente morrem. A coisa mais terrível – às vezes as crianças morrem durante o “dia de trabalho”. E a mãe imaginária deve segurar a criança morta nas suas mãos até a noite. Estas são as regras. E os transeuntes lançam algum dinheiro para a bolsa acreditando que são morais. Ajudando a mãe sozinha.

No dia seguinte, eu estava a andar perto da mesma estação de metro. Eu acumulei a confiança jornalística e estava pronto para uma conversa séria. Mas a conversa não deu certo. Em vez disso, aconteceu o seguinte: a mulher estava sentada no chão e nas mãos dela estava a segurar uma criança diferente. Fiz uma pergunta sobre os documentos da criança e, mais importante, onde estava a criança de ontem. Ela simplesmente ignorou-me. Contudo, as minhas perguntas não foram ignoradas pelos transeuntes. Disseram-me que eu devia estar louco ao questionar uma pobre mendiga com uma criança. Eventualmente, fui escoltado para fora da estação em desgraça. A única coisa que restou foi chamar a polícia. Quando a polícia chegou, a mendiga com o bebé já tinha desaparecido. Fiquei com uma sensação completa de “tentar lutar contra os moinhos de vento”.

“O negócio iria morrer e não as crianças, cheias de vodka ou drogas.”

Quando vês no metro, ou na rua, mulheres com filhos, a pedirem, pensa antes de lhes entregares o teu dinheiro. Pensa nisso, que se não fosse pelas centenas de milhares de doações, negócios como esse já teriam terminado. O negócio iria morrer e não as crianças, cheias de vodka ou drogas. Não olhes para a criança adormecida com afeto … Vê o horror … Já que estás a ler este artigo, sabes agora porque é que a criança está dormir nas mãos de mendigas.

Traduzido e adaptado pela equipa de Inspiring Life / Sábias Palavras

Fonte: Auxx.me

Por: Autor desconhecido

Partilhar é cuidar!

VÊ TAMBÉM



COMENTÁRIOS