A história de uma jovem de 22 anos na Argentina está a tornando-se conhecida em várias partes do mundo depois das suas trompas de falópio serem amarradas para evitar ter filhos.

Ailín Cubelo conseguiu realizar o procedimento anticoncepcional depois que seu ginecologista negou duas vezes, pelo que teve que mudar de profissional.

“Como algumas pessoas o desejo de ser mãe é natural para elas, para mim era natural não ser. Tive minhas trompas amarradas porque não quero ter filhos, nem agora nem nunca ”, a jovem explicou sobre sua decisão.

A jovem disse que as mulheres são questionadas desde pequenas sobre quando terão filhos. Ou quantos filhos você gostaria de ter? Perguntas que não a impressionaram muito.

“Eu vejo isso hoje: os pais que vão passear com os filhos e as meninas vão com o carrinho carregando o seu próprio bebê de brinquedo. Por isso eu acho que o mandato da maternidade não é uma coisa natural, é muito cultural. Tem muita gente que Nunca questionaram a questão de ser ou não pais, seguiram um pequeno caminho: a mulher tem que se reproduzir para a maior parte do mundo. Ou seja, se você tem útero, tem que dar à luz, é o seu destino ”, disse.

Entre os motivos para não ter filhos, Cubelo explica: “ Trazer mais uma pessoa a este mundo como ele é, fazer parte desta sociedade, com esta escassez de recursos? Viver com medo de que algo lhe aconteça se ela for mulher e tiver medo de fazer algo se for homem? Ter um filho para deixar um legado? Que legado? ”

Diante disso, a questão que mais assombra Ailín é se em algum momento ele reconsiderará sua decisão. Mas ela está confiante:

“Acho que não vai acontecer, mas se me arrependo, há a opção de adotar que está mais de acordo com a minha filosofia de vida, que é não trazer mais pessoas ao mundo e atender crianças que já têm necessidades reais.

As frases que mais ressoam são ‘e quando você envelhecer, quem vai cuidar de você ?’, ‘Para quem você vai deixar seu legado?’, ‘E quando você se apaixonar?’, ‘E quando encontrar o pessoa ideal e quiser dar-lhe um filho? ‘ O tempo todo idealizando a maternidade”.

O apoio de grupos humanitários como o “Livre de crianças – Argentina” foi fundamental para que Ailín finalmente ousasse seguir em frente com sua decisão. Também indicaram um ginecologista que não teria objeções ideológicas à sua decisão, algo que era fundamental para Ailín: a pressão social não parava de persegui-la.

Depois de considerar a cirurgia algo natural, ela também aprendeu que esse procedimento quase minimizaria seu risco de câncer de ovário. Mas o mais importante, saiu com ela de uma nova perspectiva de vida:

“Estou encontrando muitas pessoas que comentam nos grupos ‘se eu tivesse essa informação quando era jovem, não teria tido filhos’. A maternidade não deveria ser uma imposição social”, despede-se. “Não julgo quem escolhe ser mãe, não saio na rua dizendo ‘ah, foi assim que a vida se estragou’, ‘ela é louca’, ‘como é que ela vai ter três filhos?’

Sua história será extremamente inspiradora para outras garotas que podem se encontrar em situações semelhantes. A luta que ela teve que passar para realizar seus desejos pode assustar quem quer imitá-la, mas não tem vontade semelhante. Para meninas assim, Ailín é a pioneira em uma forma alternativa de ser mulher no século XXI.

Partilhar é cuidar!

VÊ TAMBÉM



COMENTÁRIOS