Bronte Rawlingson, tem 29 anos e afirma que “uma das razões pelas quais existem tantos casamentos fracassados ​​é que as mulheres não se comportam como os homens desejam”. Diz ainda que é “antifeminista”.

Bronte dedicou estes anos a ser dona de casa, depois de se casar com Phil, o seu marido há 35 anos, que tem sua própria empresa de canalização. Ela explicou numa entrevista que prefere ser uma “esposa tradicional”.

Levanta todos os dias às 6 da manhã para preparar o pequeno-almoço ao marido e dedica-se a criar os três filhos e limpar a casa. Tem sido assim desde que se casou com ele, aos 19 anos, depois de se tornar mãe pela primeira vez e abandonar a escola.

Ela não se interessou por nenhuma carreira, pois queria dedicar 100% da sua vida ao marido e ao lar. “Sei que o meu marido gosta de ser cuidado e que eu seja feminina para que ele seja masculino. Nós equilibramos-nos.”, explicou a jovem.

Na verdade, Bronte forneceu uma teoria para explicar por que há tantos divórcios hoje. Segundo ela, “uma das razões pelas quais existem tantos casamentos fracassados ​​é que as mulheres não se comportam como os homens desejam”.

Bronte conheceu o marido quando tinha 16 anos e teve o seu primeiro filho, o que a tornou desinteressada pelos estudos e pelo trabalho. Segundo ela, isto “causou problemas. Ninguém esperava que eu fosse uma mãe adolescente (…) mas foi uma escolha minha.”

No entanto, para a jovem a sua vida tornou-se o que ela sempre quis. “Sempre quis ser mãe e esposa, desde criança. Eu costumava sonhar com isso quando brincava”, disse ela.

Apesar da sociedade, ao longo das décadas, ter mudado certos estereótipos, Bronte sente-se feliz com o seu papel de dona de casa e não tem planos de trabalhar. Ele até disse que às vezes se sentia “antifeminista”.

“Há tanta pressão sobre as mulheres para saturar os ambientes masculinos que a feminilidade tradicional pode ser completamente desacreditada e subestimada. Na maioria das vezes é considerado um desperdício na vida de uma mulher educada ser dona de casa”, disse a jovem.

Para ela, ser “feminina” é uma escolha que deve ser celebrada pelo feminismo e não ser objeto de “vergonha” do movimento. “Então aqui estou eu, uma mulher obstinada que está optando por viver uma vida de dona de casa (…) Não poderia estar mais feliz com isso”, finalizou.

VÊ TAMBÉM