Luísa Valencic Ficara é uma imigrante italiana que aos 87 anos lincenciou-se em nutrição pelo Centro Universitário Padre Anchieta, em Jundiaí, interior de São Paulo.

Após perder o marido e a irmã, Luísa, que vive na América do Sul há 40 anos, decidiu, tal como ela diz, “ocupar a cabeça” e por isso matriculou-se no curso, mesmo tendo este já começado.

Segundo esta, Luisa ainda se recorda dos rostos dos seus colegas assim que entrou na sala de aula: “Quando cheguei na sala a turma ficou meio espantada. Eles devem ter pensado: ‘O que essa velha quer?’. Com o passar do tempo fui vencendo a vergonha, fiz amizade com os professores, mas o 1º ano foi o mais difícil.”

Não tendo qualquer conhecimento de informática, Luisa escreveu à mão todo o seu trabalho final sobre a cana-de-açúcar no Brasil, tendo contado com a ajuda dos funcionários da faculdade para digitar todo o trabalho para ser defendido aos examinadores.

“A experiência de orientá-la demonstrou que para educar é preciso aprender. Cada nova situação é um novo aprendizado e quem mais saiu ganhando, na minha percepção, é o educador que se abre para entender seu educando”, afirmou a orientadora do projeto, Valéria Campos.

Mas se achas que o seu percurso académico termina aqui, então estás muito enganada(o). Luísa também frequenta aulas de alemão, inglês e francês, e pretende ingressar na pós-graduação.

Fonte: G1

Partilhar é cuidar!

VÊ TAMBÉM