Dizemos isso muitas vezes: a chegada de uma criança muda nossas vidas, nos fortalece, tempera nossas fraquezas e incertezas para nutri-las com esperanças e coragem. No entanto, há algo que devemos admitir, que a nova vida que temos em nossos braços sempre será nossa maior fraqueza.

Gabriel García Márquez disse em um de seus livros que quando “um recém-nascido aperta com o punhozinho, pela primeira vez, o dedo de seu pai o prende para sempre”. É uma realidade, é um fato que toda pessoa que dá um passo em direção à maternidade ou paternidade, naturalmente ou por adoção, experimenta permanentemente.

Essa impressão emocional que começa com um olhar e essa primeira carícia, é muito profunda no coração e especialmente no cérebro. Como já mencionamos em mais de uma ocasião em «Você é a mãe», este órgão fascinante varia em sua conectividade durante o envelhecimento, o cérebro fica mais alerta e secreta um nível mais alto de ocitocina, o hormônio que regula a necessidade de atenção, cuidado e cuidado. e isso, por sua vez, intensifica ainda mais os laços de afeto.

No entanto, há algo mais profundo e delicado que varia quando somos pais, algo que nos confunde de momento e que nos confunde ainda mais à medida que a criança cresce e se torna adulta. Não importa o que essa criança faça, não importa onde ele esteja amanhã, o que ele faça, a distância que nos separa ou a vida que ele leva: ela sempre será sua fraqueza.

Você sempre será parte de mim e metade do meu coração

Se você está dentro dele há 9 meses ou não, essa criança cresce dia a dia em seu coração e algo assim marca, deixa uma marca e um DNA emocional que sempre o acompanhará. Ninguém além de você sabe quantas noites você estava assistindo, cuidando dele, cuidando dele, só você sabe o que desistiu e todo esforço investido nessa criança que você ama mais do que na sua pessoa.

Todos os dias durante a educação é uma conquista e um triunfo e, embora cada criança tenha seus ritmos e seus tempos, você manterá para sempre na memória aqueles marcos incríveis: a primeira palavra, o primeiro passo, a primeira corrida, o primeiro dia de aula e a primeira história lida por ele em voz alta.

Tudo isso é história de vida, é um legado que moldará sua arquitetura mais íntima como pessoa, algo que esculpirá seu coração momento a momento, para que você perceba que essa ou aquelas crianças serão sempre o verdadeiro amor de seus filhos. vida

Você é e será minha fraqueza, independentemente do tempo ou da distância

Frequentemente, costuma-se dizer que uma mãe perdoa tudo. Embora seja verdade que, em alguns casos, as crianças possam seguir caminhos inadequados, o que os pais sentem é que têm a necessidade básica de ajudá-las, de estar sempre tão perto, daquele abraço reconfortante e sempre disposto a casa, Sempre caloroso e acolhedor.

A mãe também sabe que seus filhos sempre serão sua fraqueza, porque ela tem a capacidade de se encaixar no lugar dela, de sentir o que a criança sente, de sofrer mais do que qualquer outra pessoa se ela sofrer e ter como maior desejo e necessidade que Seu pequeno, seja 7, 27 ou 37, seja feliz.

Esse “cordão umbilical invisível e intangível” não tem nada a ver com o desejo de controlar a criança, estando sempre por modelar essa toxicidade tão inadequada. A mãe sábia, inteligente e respeitosa é quem faz todo o possível para que o filho se sinta livre, maduro e capaz de iniciar seus próprios caminhos para construir sua própria felicidade.

Somos fortes para criar filhos fortes, mas nosso poder é a sensibilidade

Essa é sem dúvida uma contradição curiosa, mas maravilhosa: ter um filho nos obriga a deixar de lado as inseguranças, cuidar de nosso caráter, ser exemplo de temperança, coragem e força para inspirar nossos filhos todos os dias, no entanto. É precisamente saber ser sensível que nos permite abordá-los para oferecer-lhes uma educação melhor.

  • Ser sensível é ser capaz de entender suas emoções e nos colocar no lugar da criança.
  • Ser sensível é fazer do amor, respeito e carinho a nossa melhor ferramenta educacional.
  • Ser sensível é tornar-se o melhor espelho onde a criança verá em nós aquelas pessoas capazes de entendê-las, de orientá-las, de ser alguém que escuta sem julgar, que guia sem impor, que educa de maneira democrática e sem nunca cair em autoridade ou o grito

Para concluir, quando se trata de educar e criar um filho, a força é essencial para nós, para nos sentirmos mais válidos e capazes. No entanto, não devemos esquecer que o que uma criança mais precisa para crescer é a sensibilidade de seus pais.

Traduzido do original escrito por: Valeria Sabater

Partilhar é cuidar!

VÊ TAMBÉM




COMENTÁRIOS