O dia 14 de Agosto de 2018 ficou marcado como um dia trágico em Itália, com a desabamento de uma ponte com mais de 50 metros de altura em Gênova, no norte do país, causando assim a morte de 39 pessoas e dezenas de feridos. Entre as vítimas mortais estão duas famílias e três crianças.

Apesar de ainda não terem sido descobertas as causas para tal desastre, suspeita-se que o peso sobre a estrutura e problemas que possam ter surgido com o passar dos anos, combinados com a ação de ventos e tempestades que se faziam sentir no momento, possam ter provocado o mesmo.

Um vídeo que mostra um pedaço da ponte a cair tem circulado nas redes sociais:

Das 39 vitimas mortais, estas são algumas delas:

  • Roberto Robbiano (44), Ersilia Piccinino (41) e Samuele (8)

A família vinha de Campomorone, onde vivia, e iria almoçar com parentes em Voltri. Um amigo da família afirmou que reconheceu o carro e um dos brinquedos do menino – uma bola do Homem-Aranha. Dentro do veículo estava ainda um balde, uma pá e um guarda-sol de praia. A família preparava-se para viajar para a Sardenha em férias. Segundo a imprensa italiana, enquanto os corpos eram resgatados, um telemóvel tocava dentro do veículo com a palavra “Mamma” identificando o telefonema.

  • Andrea Vittone (59), Claudia Possetti (48), Manuele (16) e Camilla (12)

A família vivia em Pinerolo, na região de Turim. Segundo o jornal “La Repubblica”, Andrea e Claudia viviam juntos havia muito tempo, mas só se casaram em julho deste ano. Manuele e Camilla são filhos do primeiro casamento de Claudia. A família também estava em férias. Manuele era praticante de mountain bike e considerado uma promessa do ciclismo.

  • Melissa Artus (21), Nathan Gusman (20), Axelle Place (19) e William Pouzadoux (22)

Os quatro jovens franceses estavam a caminho de um festival de música eletrônica na Itália. Melissa e Nathan eram namorados e amigos de Axelle, e os três viviam na região de Toulouse, segundo a imprensa francesa. Como Melissa havia colocado um anúncio na sua página no Facebook abrindo vaga para mais um passageiro viajar com o trio, Pouzadoux seguia com o grupo.

  • Giovanni Battiloro (29), Matteo Bertonati (26), Gerardo Esposito (26) e Antonio Stanzione (29)

Os quatro amigos de Torre del Greco, nos arredores de Nápoles, seguiam para Nice e Barcelona. Cerca de 40 minutos antes passar pela ponte, Giovanni postou um vídeo ao vivo no Instagram em que mostrava a viagem animada dos amigos no Golf cinza.

  • Bruno Casagrande (35) e Mirko Vicini (31)

Os dois estavam desempregados há meses até que conseguiram um emprego temporário numa empresa de gerenciamento de lixo. Eles estavam dentro de uma carrinha num centro de reciclagem instalado debaixo da ponte quando morreram esmagados pelos escombros.

  • Stella Boccia (24) e Carlos Jesús Erazo Trujillo (27)

O casal de namorados vivia em Arezzo, na Toscana, e estava junto há pouco tempo. Eles foram identificados pela placa do veículo em que viajavam de férias. Na página do Facebook do restaurante da família de Stella, centenas de clientes deixaram manifestações de condolências depois que os pais da jovem publicaram a mensagem: “Pedimos desculpas aos nossos clientes. Um pedaço do nosso coração permanece sob os escombros da ponte de Gênova”. Carlos era peruano vivia na Itália desde os 11 anos. Morava com a mãe e trabalhava num restaurante.

  • Andrea Cerulli (47)

Pai de um menino pequeno, Cerulli morreu a caminho do trabalho no porto de Gênova. Ele era jogador de futebol amador do Genoa Club Portuali Voltri.

  • Alberto Fanfani (32) e Marta Danisi (29)

Enfermeira da Sicília, Marta tinha começado recentemente a trabalhar num hospital em Alexandria, no norte da Itália. O seu noivo, Alberto, era anestesista de Florença. Acredita-se que o casal seguia para a cidade de Alexandria. Eles se conheceram no hospital de Pisa e planeavam o casamento para Maio de 2019.

  • Elisa Bozzo (34)

A jovem de Busalla, nos arredores de Gênova, era procurada pelos amigos nas redes sociais até que o seu corpo foi resgatado nos escombros da ponte.

  • Juan Carlos Pastenes (64), Nora Rivera (47) e Juan Figueroa Carrasco (68)

Os três chilenos passavam sobre a ponte no momento do colapso. Pastenes era chef e vivia na Itália há mais de três décadas. Nora, a sua mulher, estava no veículo, assim como o colega do casal Figueroa (sem foto).

  • Marius Djerri (22) e Edi Bokrina (28)

Os amigos de origem albanesa estavam a caminho de Rapallo, na região, e passaram atrasados pela ponte. Trabalhavam numa empresa de limpeza e tinham ligado pouco tempo antes para avisar do atraso. Marius vivia na Itália desde os três anos e passava pela ponte todos os dias. Edy era casado há três anos. Os seus corpos estão entre os primeiros que foram resgatados.

  • Gennaro Sarnataro (43)

Pai de duas crianças, o camionista transportava frutas e legumes e voltava da França quando morreu no desabamento da ponte.

  • Luigi Matti Altadonna (35)

Pai de quatro filhos, Luigi dirigia uma carrinha no momento em que a ponte desabou. Antes da sua morte ser confirmada, parentes fizeram apelos nas redes sociais em busca de informações do seu paradeiro. A sua família é de Borghetto, mas Luigi vivia em Gênova havia bastante tempo.

  • Henry Diaz (30)

O colombiano era membro do conselho de diretores do Inter Club Recco – Golfo Paradiso, uma equipa de jovens ligados ao Inter de Milão. Ele terminava os estudos em engenharia mecânica aérea. Na Colômbia, o seu irmão, Emmanuel, afirmou ter visto pela TV a retirada do carro amarelo que Henry dirigia – o mesmo veículo tinha sido usado na véspera do desabamento, quando Henry deixou Emmanuel no aeroporto.

  • Giorgio Donaggio (57)

O ex-campeão italiano de moto trial estava entre os desaparecidos em Gênova. Ele seguia para Santa Margherita Ligure no momento do desabamento. Era casado e pai de três filhos.

Outras vítimas:

  • Vincenzo Licata, 58 anos, dono de uma transportadora
  • Francesco Bello, 41 anos
  • Sandro Campora, 53 anos
  • Alessandro Campora, 55 anos
  • Angela Zerilli, 58 anos

Fonte: UOL Notícias

 

Partilhar é cuidar!

VÊ TAMBÉM



COMENTÁRIOS