Nos Estados Unidos, o Dia de Ação de Graças é uma celebração na qual as famílias se reúnem para se acompanhar, agradecer pelas bênçãos que receberam naquele ano e jantar juntos.

Em geral, é um encontro alegre, cheio de emoção e gratidão. Para as pessoas LGBT, no entanto, esse nem sempre é o caso.

Muitas pessoas gays, lésbicas, bissexuais e transgéneros são rejeitadas e discriminadas por causa de sua orientação sexual, não apenas pela sociedade, mas por suas próprias famílias. Quando isso acontece, essas datas são particularmente difíceis para eles, pois vêem como suas próprias famílias preferem afastá-los das celebrações e fingem que não existem em um esforço para evitar o fato de terem parentes LGBT.

E enquanto as pessoas de diversidade sexual encontram e formam laços familiares com amigos e outras pessoas semelhantes, a rejeição da família biológica tem tanto peso que as taxas de depressão e suicídio aumentam consideravelmente para essa população neste momento.

É por isso que uma igreja em Beloit, Wisconsin (EUA) decidiu oferecer, pelo terceiro ano consecutivo, um jantar de Ação de Graças a todas as pessoas que pertencem a esse grupo e que não têm ninguém com quem celebrar esta ocasião.

Do grupo Yellow Brick Road, organizadores do evento, eles afirmaram que “ter alguém que não o aceita já é realmente difícil. Agora, se alguém é da sua família, é muito mais difícil.”

“Eles não podem ir às casas de suas famílias porque decidiram ser honestos com quem são, por isso, damos a eles um espaço seguro para jantar e conhecer novas pessoas”, disse Jen Schuler, presidente da Yellow Brick Road.

“Todos nós merecemos um lugar na mesa de Ação de Graças, onde nos sentimos amados e aceitos. Esta celebração é sobre conhecer e dar graças pelas pessoas que temos em nossas vidas. Não conseguimos pensar em ninguém melhor para passar esse dia especial do que você”, escreveram eles da organização no convite do Facebook.

“Esta é uma questão de direitos iguais. É sobre ser humano e ser decente um com o outro”, acrescentou Schuler.

Cerca de 30 pessoas compareceram à reunião na Igreja Congregacional de Beloit para compartilhar e sentir, mesmo por uma noite, que tinham uma família amorosa com quem compartilhar uma mesa.

A iniciativa da Igreja Congregacional de Beloit e da organização Yellow Brick Road foi aplaudida por milhares de pessoas em todo o mundo. Entre os comentários mais destacados estavam aqueles que comemoravam a inclusão e aceitação mostrada pela Igreja às pessoas LGBT.

“Essa é a igreja que Jesus gostaria”, dizem eles.

Partilhar é cuidar!

VÊ TAMBÉM




COMENTÁRIOS