https://www.upworthy.com/i-saved-my-virginity-for-marriage-and-it-worked-out-great-until-it-didn-t?c=gd1

“Em 1993, com a tenra idade de 14 anos, eu fiz uma promessa. Prometi não fazer sex* até à noite do meu casamento e encontrar um homem que honrasse essa promessa também.

Fui ensinada que o meu corpo pertencia a Deus em primeiro lugar, e só então, um dia também iria pertencer ao meu marido. Depois seria dos meus bebés (e haveria bebés, sem dúvida). Em nenhum momento recebi a mensagem de que o meu corpo pertencia a mim.

Eu era apenas uma porteira a guardar a minha pureza s*xual ao serviço do meu Deus e uma futura esposa. Eu usava um anel de prata no meu dedo anelar esquerdo como um símbolo externo da minha promessa.

Eu estava profundamente mergulhada na cultura da pureza, assim como as minhas irmãs mais velhas e todas as nossas amigas. Os meus pais eram cristãos evangélicos devotos, e toda a nossa educação s*xual girava em torno de ensinamentos somente para a abstinência e preparação para nos tornarmos esposas e mães. Os meus pais falavam abertamente sobre sex* em casa, explicavam os detalhes do acto e deixavam claro que não era nada para nos envergonharmos, contanto que estivesse dentro dos limites do casamento.

“(…) estava ciente de que tinha que desligar completamente qualquer destreza s*xual para manter a virgindade brilhante e valorizada. E assim fiz.”

Disseram-me em termos inequívocos que fazer sex* fora do casamento era a pior coisa que eu poderia fazer enquanto jovem. E enquanto eu apreciava a conversa sincera dos meus pais (nos seus padrões), também estava ciente de que tinha que desligar completamente qualquer destreza s*xual para manter a virgindade brilhante e valorizada. E assim fiz.

Eu nunca me permiti sequer considerar sex* antes do casamento. Eu recrutei as minhas amigas para se juntarem a mim nesta promessa de pureza. Eu comprei anéis para quem não pôde comprar com o meu próprio dinheiro que guardei ao trabalhar a tempo parcial no shopping. Eu era uma traficante de pureza, mesmo levando a minha mensagem para a Zâmbia devastada pela SIDA e meninas da escola no Quênia no começo dos meus 20 anos.

Eu era uma virgem de 28 anos no dia do meu casamento. Isto não foi um detalhe técnico.

Quando entrámos no nosso hotel chique, senti como se estivesse a dar a este homem lindo, o meu cavaleiro de armadura brilhante, o presente mais precioso e especial de mim. Eu estava orgulhosa. Eu fiz isso. Eu usava o meu anel de diamante como um distintivo de honra. Depois disso, senti-me vazia.

A minha virgindade era a pedra angular da minha identidade e, em questão de minutos, foi embora para sempre.

Eu e o meu marido tivemos e continuamos a ter um ótimo sex*. Claro que, sem nada para comparar, não tenho bem a certeza. Mas há atração primal, paixão intensa, comunicação aberta e grandes orgasm*s. Sempre que o resto do nosso casamento passa por dificuldades devastadoras e desastres apocalípticos, o sex* continua a ser uma fonte constante de conexão e prazer, e é a coisa que constantemente nos une quando tudo mais falha.

Mas esta não é a norma para pessoas que foram doutrinadas com a cultura de pureza. Como meninas, as mulheres sofrem uma lavagem cerebral para acreditar que qualquer coisa relacionada ao sexo é pecaminosa. Então elas são de alguma forma esperadas para virarem um interruptor imaginário e se tornarem deusas do sex* na sua noite de núpcias.

Podes imaginar o quão boa é a noite de núpcias e as interações sexuais subsequentes para aquelas mulheres. Mas porque os nossos corpos não pertencem a nós, não importa. Apenas as necessidades e desejos dos nossos maridos são importantes. O seu sucesso, os seus egos, a sua confiança, a sua masculinidade, a sua facilidade, o seu prazer, os seus orgasm*s.

“Nós ignorámos verdades fundamentais e essenciais sobre o outro, tudo porque estávamos de olho no prémio: uma vida pura.”

Levou uma década para desfazer a nossa crença compartilhada de que eu pertenço ao meu marido. E, assim como em qualquer processo de desconstrução, tem sido brutalmente doloroso e muitas vezes desastroso. Nós ignorámos verdades fundamentais e essenciais sobre o outro, tudo porque estávamos de olho no prémio: uma vida pura.

Ensinamentos que ambos recebemos desencorajam as mulheres a rejeitar o sex* sem uma razão sagrada. Então, quando o meu marido queria sex*, já que ambos acreditávamos que éramos espiritualmente um só, a minha recusa sem uma boa causa não era aceitável. Mas só a minha recusa – ele poderia recusar qualquer momento que quisesse. Ele era o marido, o líder, o provedor, a minha cobertura espiritual e protetor.

Pensamentos de recusa iria desencadear um edital antigo, ligado à repetição na minha cabeça:

“Esposas, submetam-se aos seus maridos. Submetam-se. Submetam-se.”

A esmagadora vergonha e o medo que cresceram no solo fértil da cultura da pureza isolaram-me dos meus pares, subjugaram-me ao meu marido, roubaram a minha autonomia e isolaram-me de uma conexão divina.

Eu discuti a minha sexualidade, a minha autonomia e o meu casamento em terapia nos últimos 10 anos. Eu seguro a minha filhinha, olho nos olhos dela e falo com ela as palavras que eu gostaria que me tivessem sido ditas.

“Tu estás cheia de luz.

Eu respeito-te.

O teu corpo e os teus desejos são teus.

Tu és digna de amor e liberdade.

Tu pertences a ti mesma.

O mundo é teu para explorares.

Tu és totalmente amável, tal como és.”

E ao fazê-lo, sinto-me a curar um pouco mais, volto para o meu próprio corpo, saio da vergonha e considero-me em casa.”

Traduzido e adaptado pela equipa de Inspiring Life / Sábias Palavras

Fonte: Ravishly

Autora: Carrie Saum

Partilhar é cuidar!

VÊ TAMBÉM



COMENTÁRIOS