Se ficássemos todos em silêncio por um ou dois meses, ou se apenas falássemos baixinho, a nova pandemia de coronavírus provavelmente seria radicalmente reduzida ou poderia até desaparecer. Esta é uma conclusão lógica, embora ilustrativa, a que chegaram os especialistas das várias formas de transmissão do Covid-19, que se espalha principalmente pelas gotículas que saem da boca quando tossimos, espirramos, mas também quando falamos e ainda mais quando gritamos.

Segundo o professor José-Luis Jiménez, da Universidade do Colorado, se o silêncio absoluto fosse possível, poderia ser uma arma muito eficaz para controlar a pandemia. “A verdade é que se todos parassem de falar por um ou dois meses, a pandemia provavelmente iria embora”, disse ele. E como a velocidade e a força com que o vírus é liberado da boca da pessoa infectada está relacionada a uma maior disseminação da doença, se falarmos baixo, sem gritar e com distância social, o contágio também diminuiria consideravelmente – e a conclusão também destaca a importância do uso de máscaras para combater a Covid-19.

A conclusão, portanto, mostra que a luta contra a difusão não consiste apenas em manter distância social, mas em como o fazemos e como nos comportamos. Naturalmente, esse olhar sobre como falamos, especialmente em grupo, ocorre no contexto singular e extraordinário da pandemia, mas ilustra perfeitamente como é dinâmica a transmissão do novo coronavírus, tanto no seu contágio quanto nos meios de combatê-lo.

Se o silêncio não é possível e pode ficar ainda pior, falar baixo pode nos ajudar a reduzir a pandemia – e, em geral, estar atento à maneira como nos comportamos e usar uma máscara neste momento é essencial para cuidarmos de nós mesmos. . nossa saúde e a saúde de todos.

Photo by Kristina Flour on Unsplash

Partilhar é cuidar!

VÊ TAMBÉM



COMENTÁRIOS