“Eu estava a pensar mais nela do que na Bíblia. Eu apenas segui o meu coração. Decidi ser honesta comigo mesma e com Deus” , admite Fani, destacando que o amor sempre será o mais importante.

Isto sim é uma história de amor. O documentário intitulado “Freira do Seu Negócio” (em alusão a “Não do Seu Negócio”), teve a incumbência de contar ao mundo a história de Marita e Fani, duas freiras croatas que se apaixonam no convento.

Eles passaram por milhares de inconvenientes, mas finalmente seus sentimentos prevaleceram. Eles renunciaram aos votos e iniciaram um lindo relacionamento, e hoje são mais felizes do que nunca. As suas vidas mudaram radicalmente, depois que o destino decidiu juntá-las, colocando-as à prova.

Tudo começa com a Marita (de cabelo rosa), que se apaixonou pela Fani, a actual companheira. Assim, aos poucos foi crescendo o sentimento, que se tornou mútuo e acabou com as duas a gritar o seu amor ao mundo.

“Eu apenas escutei meu coração.” Na Croácia é mais “normal” ser homossexual, mesmo sendo classificado como “deficiente”.

Ambas deixaram os seus hábitos, confirmando e consolidando a sua relação, e hoje são mais felizes e sorridentes do que nunca.

“Decidi ser honesta comigo mesma e com Deus.”

Ivana Marinic Kragic é a diretora do documentário estrelado pelas ex-freiras, que decidiram enfatizar a pouca (ou quase nenhuma) liberdade que muitas pessoas têm para decidir os seus romances.

Marita iniciou seu processo religioso aos 18 anos, mas ao contrário do que muitos pensariam, ela não o fazia por obrigação. Eu senti um chamamento.

Lá conheceu Fani Feric, que ingressou no convento aos 23 anos.

“Antes, eu idealizava tudo, mas percebi que a estrutura da Igreja não combinava comigo. O slogan do meu pedido era ‘Veritas’. Depois de um tempo, decidi ser honesta comigo mesma e com Deus, que é amor.”

– diz Marita.

A sua coragem é inspiradora, ajudando muitas pessoas que se sentem oprimidas, por acreditarem que erram só para serem felizes.

“É difícil quando você não se encaixa porque você é diferente. Para os católicos, a homossexualidade é um grande pecado. Orei a Deus para me curar de minha “doença”. Mas depois eu percebi que se Deus tivesse me feito assim, não havia nada para curar ”.

– diz Fani.

Já passou algum tempo. Marita tem 36 anos e Fani fez 4 décadas. A história delas é uma luta de amor e sentimentos.

Hoje dedicam-se ao ramo do turismo e restauração, passando os dias felizes e cheios de carinho. Sempre fiéis à sua religião, a Deus e, acima de tudo, ao amor.

Partilhar é cuidar!

VÊ TAMBÉM



COMENTÁRIOS