A funcionária Solana Guimarães sempre quis ser mãe. Seu sonho de quase dez anos era ter um bebê no colo, porém, por mais que tentasse, não conseguiu. Desde 2012 ela estava em tratamento de gravidez, sem sucesso. E apesar de ter feito 9 fertilizações in vitro, nas quais engravidou seis vezes … Ela não conseguia sentir o que significava ser mãe de um filho. Levou meses e anos visitando clínicas de fertilização em Belo Horizonte e São Paulo, no Brasil, até que encontraram uma raridade em seu útero.

“Meu problema não tem diagnóstico, é uma incompatibilidade no meu útero. Também fizemos muitos testes para ver se os embriões estavam saudáveis ​​e todos eles tinham um problema”, disse Solana Guimarães ao G1.Globo

Foi assim que apareceu sua irmã, Anaterra, de 38 anos e mãe de uma menina de 6 anos, que se ofereceu para gestar e dar à luz seu filho. Eu ia convidar sua barriga e 9 meses de vida, para que ela pudesse realizar um de seus maiores desejos: ser mãe. Mas, no início, Solana e seu marido se opuseram, porque pensaram que o sacrifício que ela estava fazendo pelos dois era demais. Parecia injusto para eles, porém, a Anaterra conseguiu convencê-los.

“A gravidez afeta muito a vida, o corpo e a rotina da mulher. A minha irmã já tinha uma filha e não nos sentíamos bem aceitando que ela tivesse o nosso filho (…) Tive muita relutância em aceitar que a Anaterra fosse a minha barriga compassiva porque não achei justo que ela se sacrificasse até aquele ponto para mim. Hoje, nesta fase final da gravidez, agradeço a Deus todos os dias por nos permitir viver esta bela história de amor. Nunca poderei agradecê-los o suficiente pelo que ela e sua família fizeram por mim”, declarou Solana, na época do nascimento de seu filho Dante.

Até o dia em que nasceu o pequeno Dante na maternidade Octaviano Neves, localizada no bairro Santa Efigênia. Ele veio ao mundo “lindo e saudável”, como sua mãe Solana disse mais tarde. Bebê que um minuto após o parto, pesava três quilos e 600 gramas, além de medir 49 centímetros.

Tudo em grande parte graças a Anaterra, sua tia e a pessoa que o teve em seu ventre por 9 meses até seu nascimento. Mulher a quem Solana e seu marido devem muito e, felizmente, após o parto, está estável e em boas condições. “Foi muito emocionante, não consegui conter as lágrimas. Eu vi minha irmã trazer meu filho ao mundo como um presente para mim. Cortei o cordão umbilical. Muita emoção ”, expressou Solana mais tarde, que não conseguiu esconder sua alegria. Ela finalmente era mãe, e ela devia isso a sua irmã, tia de seu filho Dante.

VÊ TAMBÉM