Em muitos lugares, os maus-tratos aos animais são normalizados. É algo comum, que se faz por inércia e sem pensar no sofrimento. É como se esquecessem que também sofrem, ainda mais quando se trata de fazê-los lutar. Eles ainda têm a coragem de chamá-lo de “esporte” ou “tradição”.

O casal comemorou o chá de bebê com uma novidade cruel: uma briga de galos onde o sexo do bebê foi revelado. Amarraram uma navalha e um balão em cada perna, para que estourasse durante a luta. Alguns segundos após o início da “batalha”, uma fumaça rosa saiu, indicando o gênero feminino. Eles gostavam dessa prática cruel.

Já o dizia Einstein: «Duas coisas são infinitas: a estupidez humana e o universo; e não tenho certeza sobre o último. ‘ Quem poderia gostar de ver violência? A resposta é Einstein.

Apesar dos vários pedidos e proibições de abuso de animais e briga de galos, alguns não ouvem ou entendem.

Esse infeliz acontecimento ocorreu em meio a uma festa de chá de bebê, onde é comum revelar o gênero do bebê como uma surpresa, mas não dessa forma. Aparentemente, de acordo com as redes sociais, isso aconteceu em um setor de Monterrey (México).


Alguns descreveram a ideia como “criativa” ou parte do folclore de muitos países, mas isso não quer dizer que se trate de maus tratos, que os galos sejam obrigados a lutar e treinar para matar. Eles não vivem livres, muito menos felizes.

Por muitos anos, grupos de direitos dos animais e grupos que protegem a vida selvagem e os direitos dos animais tentaram impedir essas práticas.

Uma das últimas boas notícias sobre essa prática cruel veio dos Estados Unidos no ano passado, quando eles a declararam ilegal em seus estados.

Não há justificativa para a violência, para mutilar cristas de galo e queixo, para melhorar seu desempenho na luta e continuar ganhando dinheiro. Muito menos se justifica em uma celebração de amor como um chá de bebê. É incomum e ultrajante, além de muito mau gosto.

Partilhar é cuidar!

VÊ TAMBÉM



COMENTÁRIOS