Os ilhéus do Quênia construíram um barco feito inteiramente de plástico reciclado apanhado durante a limpeza do oceano para destacar a crescente ameaça de resíduos plásticos que acabam no mar.

No ano passado, o governo queniano impôs a lei mais dura do mundo contra os sacos de plástico, com os infratores – incluindo produtores, retalhistas e quenianos comuns – arriscando a prisão até 4 anos ou multas de 40 mil dólares, numa tentativa de reduzir a poluição por plásticos.

Muitos sacos flutuam no oceano, estrangulando tartarugas, sufocando aves marinhas e enchendo o estômago de golfinhos e baleias.

A construção do barco foi apelidada de projeto FlipFlopi por causa das centenas de sandálias de plástico reciclado que cobrem a embarcação.

O barco de nove metros, construído por mais de 10 toneladas de lixo plástico, navegou pela primeira vez nas águas da ilha de Lamu, no Quênia, no sábado.

Os seu lançamento coincidiu com o Dia Mundial da Limpeza Mundial, durante o qual grupos ambientais realizam atividades para combater a poluição.

O barco é uma profusão de cores, incluindo vermelho, verde, azul e amarelo, devido aos chinelos usados ​​novamente para cobrir o casco e outras partes.

“Esperamos que as pessoas ao redor do mundo sejam inspiradas pelo nosso belo barco multicolorido e encontrem as suas próprias maneiras de redirecionar plásticos já usados”, disse Ben Morrison, fundador do projeto FlipFlopi.

Morrison, que passou uma década a construir uma viagem de negócios focada na África, decidiu construir barcos coloridos em 2016, quando notou uma poluição alarmante ao longo da costa do Quênia.

A equipa utilizou instalações e tecnologias quenianas para reciclar resíduos de plástico e foi liderada pelo construtor local de barcos Ali Abdalla Skanda.

“Estamos orgulhosos de ser um guia para o mundo e seus habitantes durante este momento vital de desafio para o meio ambiente oceânico”, disse Skanda, acrescentando que receberam apoio de todo o mundo enquanto construíam o barco.

O ministro do Turismo do Quênia, Najib Balala, elogiou a equipa ao participar no lançamento na ilha de Lamu, um património mundial protegido e popular entre turistas locais e estrangeiros, na costa norte do Quênia.

O turismo é um dos principais meios de ganhos de dinheiro no Quênia e as autoridades de Nairóbi desejam proteger os resorts de praia ao longo da costa.

Partilhar é cuidar!

VÊ TAMBÉM




COMENTÁRIOS