Quando Ashton Kutcher não está a entreter o público, ele está a lutar contra o tráfico humano e a sua ajuda está a fazer a diferença.

A organização sem fins lucrativos do ator de 41 anos, Thorn: Digital Defenders of Children, ajudou a polícia a identificar mais de 5.894 vítimas de tráfico sexual infantil e resgatou 103 crianças de situações de abuso sexual foi registrado e distribuído, no ano passado, segundo dados da entidade.

A organização desenvolve tecnologia para defender crianças de abuso sexual. Foi criada uma Força-Tarefa Tecnológica, com mais de 25 empresas entre: Google, Facebook e Microsoft, que trabalham em softwares de combate à exploração sexual infantil.

Os dados da fundação também afirmam que Thorn ajudou a interromper 6.608 perpetradores, encorajou mais de 140.000 pessoas a procurarem material de abuso sexual infantil para obter ajuda e educou 3,5 milhões de adolescentes por meio de sua campanha Stop Sextortion.

Kutcher também fundou a organização anteriormente conhecida como DNA Foundation, com sua ex-esposa Demi Moore, em 2009, para prevenir a exploração sexual de crianças.

Em março do ano passado, ele falou ao 48 Hours sobre seu trabalho de advocacy e admitiu que este assunto é muito sensível para ele e é difícil para ele falar sem se emocionar.

“O que fazemos em nosso núcleo é construir tecnologia para ajudar a combater a exploração sexual de crianças”, explicou Kutcher. “Você pode arregaçar as mangas e tentar ser como um herói e salvar uma pessoa, ou pode construir uma ferramenta que permite que uma pessoa salve muitas outras.”

Kutcher ainda testemunhou perante o Comité de Relações Exteriores do Senado em fevereiro de 2017, e fez um discurso de 15 minutos sobre a escravidão moderna para forçar o Congresso a agir para acabar com os horrores enfrentados por mulheres e crianças em todo o mundo.

“Estou aqui hoje para defender o direito de buscar a felicidade. É uma noção simples: o direito de buscar a felicidade”, disse ele. “É concedido a todos nós por nossa constituição. Todo cidadão deste país tem o direito de persegui-lo. E eu acho que é nossa obrigação, como cidadãos desta nação, como americanos, conceder esse direito a outros e ao resto do mundo. Mas o direito de buscar a felicidade para muitos é eliminado: é violado, abusado, levado à força, fraude ou coerção. É vendido para a felicidade momentânea de outro.”

Ele também falou das críticas que recebeu de outros, ou como ele se referiu a eles, “trolls’’, que lhe dizem para “manter o seu trabalho diário.” Ele refutou essas críticas dizendo que seu trabalho com Thorn é seu trabalho real. Ele então contou a história comovente de um menino da mesma idade que sua filha Wyatt de 4 anos, que foi estuprada por um homem adulto.

“Eu vi o conteúdo de um vídeo de um menino da mesma idade da minha filha quando foi estuprado por um americano que era um turista sexual no Camboja, e esse menino estava tão condicionado pelo ambiente que pensou que estava brincando”, disse ele.

Partilhar é cuidar!

VÊ TAMBÉM



COMENTÁRIOS