As pessoas são capazes de fazer as coisas mais loucas por devoção religiosa, como caminhar milhares de quilómetros para visitar um local sagrado, ou até mesmo algo mais extremista, como auto-chicoteadas ou até mesmo a auto-crucificação.

No entanto, o indiano Sadhu Amar Bharati conseguiu superar todos estes sacrifícios ao manter o seu braço elevado durante mais de 40 anos não só por amor e devoção a Shiva, um dos muitos deuses hindus, como também como uma forma de protesto em prol da paz mundial.

Em 1970, farto de viver uma boa vida de classe média num país em que a maioria das pessoas são pobres, Sadhu decidiu deixar a sua família, a sua casa, o seu emprego e todos os seus bens materiais como uma forma de homenagem a Shiva, tornando-se num mendigo.

No entanto, três anos depois, mesmo assim não estava satisfeito e, achando que a sua devoção não estava a ser boa o suficiente, decidiu fazer algo mais radical e levantou o braço apontando para o céu, mantendo-o assim já há mais de 40 anos.

Apesar da dormência e das imensas dores que começou a sentir com o braço nessa posição, Sadhu não desistiu.  Ao fim de algum tempo, os músculos atrofiaram de tal forma que a dor diminuiu e o braço passou a manter-se erguido por ele próprio e desde então nunca mais baixou, nem para cortar as unhas, fazendo com que estas já se enrolem de tão grandes que estão.

Por muito estranho que isto possa parecer, na verdade a cultura indiana já está habituada a este tipo de sacrifícios e Sadhu é mesmo considerado pelos seguidores de Shiva como um homem santo que abdicou do luxo e confortos materiais em homenagem ao seu deus, inspirando outros homens a fazer o mesmo, sendo que houve mesmo quem mantivesse o seu braço erguido durante 10 anos.

FONTEKnowledgeNuts
Partilhar é cuidar!

VÊ TAMBÉM