Andava eu na internet a ver que artigos é que podia fazer e deparo-me com esta notícia absurda (ou não).

Ora bem, não sei até que ponto este estudo terá alguma veracidade, mas não vou duvidar, porque não entendo nada de ciência, mas segundo o Jornal Ciência, evitar o sexo pode ser a chave para prolongar a vida.

Uma série de pesquisadores da Universidade de Sheffield observou uma comunidade de bichos-da-farinha (são uma espécie de larvas, feias como tudo) e perceberam que, aqueles que não acasalaram viveram por mais tempo. Então tentaram entender o porque, de os pobres bichinhos que queriam ser felizes mas acabavam por morrer bem mais rápido.

Aparentemente, a hormona libertada (nos machos para produzir esperma, e nas fêmeas para produzir ovos) tem um efeito negativo. Isto é, provoca uma quebra no sistema imunológico no pobre animal, ficando vulnerável a qualquer infecção. Logo, como toda a gente sabe, quando o sistema imunológico está em baixo, o corpo não consegue combater com tanta facilidade as bactérias que se infiltram.

Até aí tudo bem, pobre do bichinho que quer acasalar e morre passado pouco tempo. Mas será que com o ser humano é igual? Foi aí que decidiram levar o estudo mais a frente, percebendo se, por acaso, nos humanos pode acontecer o mesmo, fazendo um outro estudo.

O autor do Dr. Michael Siva-Jothey, acredita, que apesar dos processo nos humanos ser completamente diferente em relação às larvas, que tem de haver uma explicação científica que justifique o facto, de freiras, padres, sacerdotes e até aquela tua tia-avó solteira que parece que nunca mais morre (Deus me perdoe) terem uma vida bem mais prolongada.

Ao que parece o ser humano também ficam com o sistema imunológico mais fraco durante o sexo, daí a facilidade em que as Doenças Sexualmente Transmissíveis se propagarem de pessoa para pessoa. Também durante o acto sexual existe um aumento da pressão arterial, logo existe o risco de doença cardíaca ou derrame.

Sabem a que conclusão é que chego com este estudo? Que tudo o que é bom faz mal e que prefiro mil vezes morrer feliz! ahahahah

Partilhar é cuidar!

VÊ TAMBÉM