“Querida filha, escute com atenção o que tenho para falar. O dia que esta doença se apoderar totalmente de mim e eu não for mais a mesma, tenha paciência e me compreenda.

Quando eu derrubar comida sobre minha roupa e esquecer como calçar meus sapatos, não perca sua paciência.

Lembre-se das horas que passei lhe ensinado essas mesmas coisas.

Se ao conversar com você repito as mesmas palavras e você já sabe o final da historia, não me interrompa e me escuta. Quando era pequena tive que contar-lhe mil vezes a mesma historia para que você dormisse.

Quando fizer minhas necessidades em mim, não sinta vergonha nem fique brava, pois não posso controlar-me. Pense em quantas vezes, quando era uma menina, te limpei e te ajudei quando você também não podia controlar-se.

“(…) mas sempre entenderei seus abraços, seus carinhos e seus beijos.”

Não se sinta triste ao me ver assim. É possível que eu já não entenda suas palavras, mas sempre entenderei seus abraços, seus carinhos e seus beijos.
Te desejo o melhor para sua vida com todo o meu coração.

Sua mãe!”

Partilhar é cuidar!

VÊ TAMBÉM