“No terceiro encontro, ele me disse que nunca queria ter nada a ver com meus filhos.

Assusta-me saber o que apaixonar-me depois de tanto a tempo a não me permitir a isso me fez. Cegou-me. Enfraqueceu o que eu sempre vi como a minha maior realização: ser mãe.

A culpa consome-me quando penso nisso porque a sociedade ensina-nos que, como mães, precisamos de nos colocar em último lugar. Assusta-me saber que se eu o tivesse envolvido na vida dos meus filhos, eles teriam visto como eu estava feliz e diferente com ele, querendo-o sempre junto de mim, nunca sabendo o quanto ele os quis longe mesmo antes de os conhecer.

No primeiro encontro, nós dois sabíamos que ia ser diferente, ambos sentimos – nós simplesmente ligámos-nos.

No terceiro encontro, ele disse-me que nunca queria nada a ver com os meus filhos.

“Ter uma família instantânea não é o que eu imaginei ou quero para mim.”

Na altura eu não me importei; A última coisa que eu andava à procura era algo sério depois de sair de um relacionamento de sete anos, em que eu dei à luz aos 20 anos.

Mas ele era divertido e doce, e acompanhava o meu humor louco. Eu queria mais.

Foi o começo de um longo fim para nós. A sua honestidade era admirável e dolorosa ao mesmo tempo. No entanto, ainda assim, parecia que ele estava a aproximar-se mais do que eu alguma vez teria feito.
Quando ele disse: “Espero que não penses que eu mude de ideia”, fiquei chocada com a sua disposição de avançar tão cedo porque eu sabia que ele sentia tão forte quanto eu. Eu sou culpada de ser egoísta, e provavelmente não teria falado nisso se ele tivesse sido o “tal” com as crianças.

Ele tinha 31 anos, nunca se casou, e procurava uma esposa – que não tivesse filhos. Havia pressão da sua família para iniciar a sua própria, e pressão dentro de si mesmo para se apressar. Eu acho que ele saiu comigo entre outros encontros, pensando que seria capaz de seguir em frente facilmente quando chegasse a hora, pensando que eu seria apenas outra mulher que não tinha interesse.

Não podíamos estar mais errados.

Em vez disso, deixei-o segurar na minha mão em público sem me sentir desconfortável pela primeira vez na minha vida. Eu não desviei o olhar, e em vez disso, olhei para ele quando ele me disse que eu era incrível e nunca seria capaz de olhar para outra mulher da mesma forma depois de mim.

Porque quando ele olhou para mim, parecia que eu existia pela primeira vez em muito tempo como alguém além da mãe de alguém. Era como se estivesse a voar e quanto mais tempo passava com ele, mais eu o desejava como uma droga. Eu era viciada na moca que ele me dava, escolhendo ser ignorante para a retirada infernal que eu sabia que acabaria por acontecer.

Antes dele, eu estava feliz por estar separada e a viver sozinha. Eu estava a preparar-me para isso há já algum tempo tempo: liberdade. Eu não tinha que dar satisfações a ninguém não tinha que me preocupar com ninguém, exceto comigo e com os meus filhos.

Mas oito meses foram suficientes para me tornar numa pessimista sobre a ideia de amor numa crente. O tipo de amor que te faz ficar sem ar na sua presença. O tipo de amor em que se torna difícil te concentrares noutra coisa senão em ver essa pessoa de seguida.

Eu não tinha planos de envolver os meus filhos, por isso eu pensei que o que eu estava a fazer estava bem. Não estava a afectá-los. Eu não ouvi os avisos da minha mãe ou dos meus amigos, que me disseram para proteger o meu coração porque iria partir. Eu pensei que depois da paixão inicial desbotada, nós simplesmente poderíamos parar de nos ver.
A primeira vez que tentei acabar foi a primeira vez que ele me disse que me amava. Eu deveria ter dito adeus em vez de deixá-lo beijar-me pela primeira vez, sentindo o meu coração a derreter e a abrir ao mesmo tempo, porque eu sabia que isto estava a acabar e eu ia ter que me “descascar” do chão. Mas eu não consegui parar e ele também não.

Ele começou a tornar-se no meu tudo; Ele começou a tornar-se em tudo o que eu pensava, e em algum lugar, no fundo da minha mente e no fundo do meu coração, eu estava a esconder um sentimento assustador: a esperança.

Esperança de que ele mudasse de ideias e que eu não estivesse a namorar um homem que não queria os meus filhos. Esperança que ele os aceitasse, e percebesse que não poderia viver sem mim e estivesse disposto a fazer um sacrifício. Eu queria ouvi-lo dizer que ele me queria – tudo de mim mais eles. E que eu valia a pena.

A minha mãe disse que se ele fosse com quem eu estava destinada a ficar, ele não iria fazer perguntas tipo: “Esperas que eu lhes compre carros quando eles fizerem 16 anos? Ou que os ajude a pagar a faculdade? Sabes que eles nunca vão ficar em primeiro lugar para mim, certo?” Eu não acreditei na minha mãe quando ela me deu de exemplo após o exemplo sobre o meu padrasto incrível que entrou nas nossas vidas e eu cuspi fora desculpas uma após a outra sobre o porquê de ela estar errada, tudo enquanto sufocava em lágrimas na outra extremidade do telefone sabendo muito bem que ela estava certa.

Eu pensei que a sua atitude sobre os meus miúdos mudaria e que eventualmente veria que eram apenas uma extensão de mim, a pessoa que ele mais ama, e que se sentisse diferente.

A primeira e única vez vez que ele conheceu os meus filhos foi no shopping. Eu disse ao meu filho de 6 anos que o meu “amigo” podia vir ter connosco e ele foi para parque.

Ainda me lembro como ele parecia nervoso, a sua expressão desconfortável. Eu ainda posso sentir a sensação de afundamento na boca do meu estômago que subiu do meu coração para a minha cabeça, gritando para eu perceber que não tinha sentido.

Eu apontei-lhe para os meus filhos. Nada. Perguntei-lhe se ele queria que eu os chamasse. Nada.

Ele finalmente disse: “Desculpa, mas estou a ficar maluco. Eu normalmente não consigo manter minhas mãos longe de ti, mas eu não tenho nenhum desejo de te tocar agora.”

Foi como um murro na barriga, especialmente porque não fui eu que sugeri que ele conhecesse os meus filhos; Foi a seu pedido.

Ainda assim, ficamos juntos por mais alguns meses, porque quando estávamos sozinhos, não pensávamos em ninguém além de nós mesmos e em como nos fazíamos felizes. Ficou tácito por muito tempo o que ambos sabíamos: não poderíamos estar um com o outro e ainda ter a vida que queríamos.

Quando terminámos para sempre, não conseguimos negar mais a verdade olhando-nos diretamente no olhos: eu amava um homem que não queria os meus filhos.

Assim que terminámos, ele perguntou se ainda podíamos conversar porque estar sem mim deixava-o miserável. Ele queria cortar a sua miséria pela metade cortando o meu coração ao meio. Em vez disso, ele esperava que eu permanecesse na sua vida enquanto ele procurava alguém novo para seguir em frente.

Quando ele me disse que entendeu que eu não queria vê-lo e que não queria que ele me  magoasse mais do que eu já estava, ainda assim ligava-me todos os dias à espera que eu estivesse lá para ele, eu percebi que isso não é amor verdadeiro. Isso era amor egoísta. Amor unilateral.

Se amas alguém, não esperes que eles estejam ao seu lado e vejam como te mexes apenas para não teres de suportar a dor. Ele queria o melhor dos dois mundos e eu dei-lhe por um tempo.

No final, o que me acordou foram os meus filhos. Eu amo-os mais do que tudo. Eu fiz algumas escolhas erradas. Eu não os coloquei em primeiro lugar, continuando com ele.

Foi irresponsável ao continuar a estar com alguém que eu sabia que ia ser difícil de deixar quando ele me quisesse só para si mesmo. Apaixonar-me por ele era como cair de joelhos de cada vez que ele se preocupava com o futuro e me afastava, só para ser chutada de volta novamente assim que ele voltava a sentir-se bem novamente.

Tenho certeza que ele vai encontrar o que procura. A mulher que ele imaginou para si mesmo com a situação perfeita – e tenho certeza que ela será ótima. Mas ela nunca vai amá-lo como eu amei. Eu o amava de uma maneira grande.

Eu sei agora como esse amor apaixonado sobre o qual eles escrevem, cantam, e fazem filmes, sente-se. É um sentimento de duas pessoas que cruzam essa linha de ser capaz de pensar com a cabeça; Eles não podem sentir a lógica, apenas o seu coração.

Mas também sei que a paixão não é suficiente. A pessoa que escolhes tem que te aceitar por completo, incluindo os teus filhos.

Eu nunca vou deixar ninguém tentar e escolher os pedaços de mim que eles adoram, enquanto pisam em todas as outras partes que não gostem. Eu nunca vou deixar ninguém fazer-me perguntar se eu valho a pena, porque para outra pessoa, eu valho. Para outra pessoa, os meus filhos serão um bónus – não um problema a ser tratado.

O meu coração pode nunca ser exatamente como era antes. Mas talvez seja melhor!”

FONTEYour Tango
Partilhar é cuidar!

VÊ TAMBÉM